Creio que não existe nada de mais belo, de mais profundo, de mais simpático, de mais viril e de mais perfeito do que o Cristo; e eu digo a mim mesmo, com um amor cioso, que não existe e não pode existir. Mais do que isto: se alguém me provar que o Cristo está fora da verdade e que esta não se acha n'Ele, prefiro ficar com o Cristo a ficar com a verdade. (Dostoievski)

FAÇA COMO EU: VISITE O BLOG DELES, E SIGA-OS TAMBÉM! :)

3 de mai de 2008

a proibição extrai seu poder

A proibição extrai seu poder impulsionador de dois fatores dramáticos opostos. Em primeiro lugar, a transgressão deve ter conseqüências impensáveis; seus efeitos devem ser abrangentes e devastadores, primeiro para o transgressor e seu círculo, mas também para o restante do universo (qualquer que seja na história o tamanho do universo; cada narrativa tem o seu). O fogo deve permanecer para sempre de uso exclusivo dos deuses, caso contrário os mortais serão beneficiados (ou amaldiçoados) com a consciência e a civilização; a caixa de Pandora não deve ser aberta, caso contrário os males da humanidade escaparão do seu confinamento e contaminarão irremediavelmente a terra; Adão não deve comer o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, pois no dia em que o fizer acabará conhecendo a morte. O enunciado da proibição deixa claro que ela existe por uma razão fundamental, que absolutamente não pode ser tomada levianamente; ignorar a advertência é estar pronto a alterar a tessitura mais fundamental das coisas.
.
Apesar de ter conseqüências inconcebíveis, a transgressão em si, o ato direto da violação, deve permanecer todo o tempo no terreno das coisas concebíveis. A violação deve ser de tal natureza que possa ser executada por qualquer agente suficientemente motivado, enganado ou distraído: um titã tem acesso tanto a homens quanto a deuses, pelo que pode levar o fogo proibido de um a outro; Pandora é uma mulher curiosa, pelo que pode a qualquer momento decidir a caixa que está em seu poder; a árvore é atraente, e qualquer um pode tentar convencer Adão a estender a mão para tocá-la.
.

Conseqüências inconcebíveis, violação concebível. Dito de outra forma, a proibição une os domínios do último e do penúltimo, do finito e do infinito, do natural e do sobrenatural.

A vertigem, naturalmente, é que uma coisa de resultados tão terríveis e momentosos não seja inerentemente proibida no mecanismo do cosmos; o assombroso é que a violação esteja ao alcance de qualquer um ou pelo menos de alguém.

O messias judeu Sabbatai Sevi (que mais tarde apostataria para o islamismo) percebeu e passou a celebrar, à sua maneira, a extensão deste mistério. Em junho de 1665 Sabbatai Sevi reuniu os seus discípulos em Jerusalém e convidou-os a instituirem um sacramento de trangressão, no qual violariam solenemente um dos mandamentos da Torá. Naquela tarde Sevi e seus discípulos fizeram o que voltariam a fazer juntos inúmeras vezes: comeram o heleb, a gordura do fígado – uma das 36 transgressões para as quais a Torá prescreve a eliminação do transgressor.

A benção que o messias pronunciou antes da ceia, a benção que não tem como não ser a mais antiga de todas:

– Bendito seja Deus, que permite o proibido.

***

Texto de Paulo Brabo, postado no site A Bacia das Almas.

Nenhum comentário:

Marcadores

Comportamento (719) Mídia (678) Web (660) Imagem (642) Brasil (610) Política (501) Reflexão (465) Fotografia (414) Definições (366) Ninguém Merece (362) Polêmica (346) Humor (343) link (324) Literatura (289) Cristianismo (283) Maya (283) Sublime (281) Internacional (276) Blog (253) Religião (214) Estupidez (213) Português (213) Sociedade (197) Arte (196) La vérité est ailleurs (191) Mundo Gospel (181) Pseudodemocracia (177) Língua (176) Imbecilidade (175) Artigo (172) Cotidiano (165) Educação (159) Universidade (157) Opinião (154) Poesia (146) Vídeo (144) Crime (136) Maranhão (124) Livro (123) Vida (121) Ideologia (117) Serviço (117) Ex-piritual (114) Cultura (108) Confessionário (104) Capitalismo (103) (in)Utilidade pública (101) Frases (100) Música (96) História (93) Crianças (88) Amor (84) Lingüística (82) Nojento (82) Justiça (80) Mulher (77) Blábláblá (73) Contentamento (73) Ciência (72) Memória (71) Francês (68) Terça parte (68) Izquerda (66) Eventos (63) Inglês (61) Reportagem (55) Prosa (54) Calendário (51) Geléia Geral (51) Idéias (51) Letras (51) Palavra (50) Leitura (49) Lugares (46) Orkut (46) BsB (44) Pessoas (43) Filosofia (42) Amizade (37) Aula (37) Homens (36) Ecologia (35) Espanhol (35) Cinema (33) Quarta internacional (32) Mudernidade (31) Gospel (30) Semiótica e Semiologia (30) Uema (30) Censura (29) Dies Dominicus (27) Miséria (27) Metalinguagem (26) TV (26) Quadrinhos (25) Sexo (25) Silêncio (24) Tradução (24) Cesta Santa (23) Gente (22) Saúde (22) Viagens (22) Nossa Linda Juventude (21) Saudade (21) Psicologia (18) Superação (18) Palestra (17) Crônica (16) Gracinha (15) Bizarro (14) Casamento (14) Psicanálise (13) Santa Casa de Misericórdia Franciscana (13) Carta (12) Italiano (12) Micos (12) Socialismo (11) Comunismo (10) Maternidade (10) Lêndias da Internet (9) Mimesis (9) Receita (9) Q.I. (8) Retrô (8) Teatro (7) Dããã... (6) Flamengo (6) Internacional Memória (6) Alemão (5) Latim (5) Líbano (5) Tecnologia (5) Caninos (4) Chocolate (4) Eqüinos (3) Reaça (3) Solidão (3) TPM (2) Pregui (1)

Arquivo