Creio que não existe nada de mais belo, de mais profundo, de mais simpático, de mais viril e de mais perfeito do que o Cristo; e eu digo a mim mesmo, com um amor cioso, que não existe e não pode existir. Mais do que isto: se alguém me provar que o Cristo está fora da verdade e que esta não se acha n'Ele, prefiro ficar com o Cristo a ficar com a verdade. (Dostoievski)

FAÇA COMO EU: VISITE O BLOG DELES, E SIGA-OS TAMBÉM! :)

15 de ago de 2007

cláudio júlio tognolli

Por quem os sinos dobram?

Cláudio Júlio Tognolli (*)

O biólogo de Harvard Richard Lewontin gosta muito de uma frase: o preço da metáfora é a eterna vigilância, costuma disparar. O escritor argentino Jorge Luis Borges, o bruxo da Calle Maipú, referia em uma de suas parábolas que Jesus Cristo era como os gaúchos: gostava de falar por parábolas para não se comprometer com nada ou ninguém. Lulinha paz e amor vai pelo mesmo caminho. É o presidente parabólico.

Eis uma técnica adotada por "n" governantes. Para começar com Álvaro Obregón, que presidiu o México de 1920 a 1924 pelo PRI. Em público, disparava: "Eu roubo menos" – exibindo um dos braços, do qual só tinha um toco.

Nosso espírito de época requer parábolas e reducionismos. Com a Internet, viramos cidadãos em busca das respostas rápidas. Nossas metáforas estão pobres. Nosso discurso está encolhido. Nosso tempo diminuiu. Marshall McLuhan não diria mais hoje: "O meio é a mensagem". Diria: "O e-mail é a mensagem".

Tal encolhimento se evidencia em dados levantados pelo jornalista Rodolfo Konder. Segundo ele, os humanos já falaram 150.000 línguas. Hoje, falam 6.000. A curto prazo, mais 4.000 devem desaparecer. Perdemos uma língua a cada quinze dias.

Onde, perversão dos nossos tempos, menos se acessa a Internet, em regiões como a África, as línguas no entanto ainda se multiplicam. Há na África quase 2.000 línguas e, nas Américas, novecentos pequenos dialetos. Para salvar uma língua, estima-se, precisa-se de investimentos de 200.000 dólares em pelo menos dois anos.

Todd Gitlin, o novo papa da mídia contracultural dos EUA, teve a pachorra de, junto de sua mulher, Laurel, contar o comprimento das frases dos dez romances mais vendidos da lista do The New York Times . De 1936 a 2001, diz, o comprimento da frase declinou em 43 por cento e o número de sinais de pontuação em 32 por cento.

Sabemos agora, mais do que em nenhuma época, por que os nazistas gostavam de queimar livros e por que Goebbels disparava que, toda vez que ouvia falarem cultura, abria o seu coldre. Aumentar a linguagem, o nosso lado simbólico, é aumentar a nossa ressonância moral, ética, emocional. Matar a linguagem é matar a tolerância.

Atalhos facilitários estão aí para criar, na cabeça do populacho, a idéia de que consumir metáforas de baixa octanagem moral é "cuidar da cabeça". Estão aí para dizer que vômitos emocionais, destinados ao mercado de massa, bem como estilizar arrogância místico-mágica, valem sim como passaporte para o mundo da "gente culta". Se não fosse esse fenômeno, Lya Luft não teria virado capa de Veja, justamente quando desceu degraus na qualidade de sua obra, e Paulo Coelho não seria o escritor mais vendido do mundo. Sabemos por quem os sinos dobram: eles dobram por nós.

Texto publicado no Correio Caros Amigos, mídia eletrônica, 144ª Edição (19 de março), em 19/03/2004.

Cláudio Julio Tognolli (*) é jornalista, professor da ECA-USP e autor de A Falácia Genética: a Ideologiado DNA na Imprensa, Editora Escrituras.

Nenhum comentário:

Marcadores

Comportamento (719) Mídia (678) Web (660) Imagem (642) Brasil (610) Política (501) Reflexão (465) Fotografia (414) Definições (366) Ninguém Merece (362) Polêmica (346) Humor (343) link (324) Literatura (289) Cristianismo (283) Maya (283) Sublime (281) Internacional (276) Blog (253) Religião (214) Estupidez (213) Português (213) Sociedade (197) Arte (196) La vérité est ailleurs (191) Mundo Gospel (181) Pseudodemocracia (177) Língua (176) Imbecilidade (175) Artigo (172) Cotidiano (165) Educação (159) Universidade (157) Opinião (154) Poesia (146) Vídeo (144) Crime (136) Maranhão (124) Livro (123) Vida (121) Ideologia (117) Serviço (117) Ex-piritual (114) Cultura (108) Confessionário (104) Capitalismo (103) (in)Utilidade pública (101) Frases (100) Música (96) História (93) Crianças (88) Amor (84) Lingüística (82) Nojento (82) Justiça (80) Mulher (77) Blábláblá (73) Contentamento (73) Ciência (72) Memória (71) Francês (68) Terça parte (68) Izquerda (66) Eventos (63) Inglês (61) Reportagem (55) Prosa (54) Calendário (51) Geléia Geral (51) Idéias (51) Letras (51) Palavra (50) Leitura (49) Lugares (46) Orkut (46) BsB (44) Pessoas (43) Filosofia (42) Amizade (37) Aula (37) Homens (36) Ecologia (35) Espanhol (35) Cinema (33) Quarta internacional (32) Mudernidade (31) Gospel (30) Semiótica e Semiologia (30) Uema (30) Censura (29) Dies Dominicus (27) Miséria (27) Metalinguagem (26) TV (26) Quadrinhos (25) Sexo (25) Silêncio (24) Tradução (24) Cesta Santa (23) Gente (22) Saúde (22) Viagens (22) Nossa Linda Juventude (21) Saudade (21) Psicologia (18) Superação (18) Palestra (17) Crônica (16) Gracinha (15) Bizarro (14) Casamento (14) Psicanálise (13) Santa Casa de Misericórdia Franciscana (13) Carta (12) Italiano (12) Micos (12) Socialismo (11) Comunismo (10) Maternidade (10) Lêndias da Internet (9) Mimesis (9) Receita (9) Q.I. (8) Retrô (8) Teatro (7) Dããã... (6) Flamengo (6) Internacional Memória (6) Alemão (5) Latim (5) Líbano (5) Tecnologia (5) Caninos (4) Chocolate (4) Eqüinos (3) Reaça (3) Solidão (3) TPM (2) Pregui (1)

Arquivo