Creio que não existe nada de mais belo, de mais profundo, de mais simpático, de mais viril e de mais perfeito do que o Cristo; e eu digo a mim mesmo, com um amor cioso, que não existe e não pode existir. Mais do que isto: se alguém me provar que o Cristo está fora da verdade e que esta não se acha n'Ele, prefiro ficar com o Cristo a ficar com a verdade. (Dostoievski)

FAÇA COMO EU: VISITE O BLOG DELES, E SIGA-OS TAMBÉM! :)

22 de ago de 2007

frei betto

Europa, primeiro mundo?

A Europa atingiu o topo de seu bem-estar? Qual o futuro de um Velho Continente que já não produz ciência e tecnologia e transfere suas indústrias para países pobres onde a mão-de-obra é mais barata? O que foi feito dos valores cristãos nessa sociedade que exalta a competitividade acima da solidariedade, e investe bilhões em biogenética e cosméticos, indiferente ao sofrimento de 4 bilhões de seres humanos que, segundo a ONU, vivem abaixo da linha da pobreza?

Por que a Europa Ocidental encara a América Latina sob a ótica do preconceito? Chávez e Morales não foram eleitos, como Lula, democraticamente? Por que vozes européias não se erguem contra o bloqueio dos EUA a Cuba e o uso da base naval de Guantánamo como cárcere clandestino de supostos terroristas?

Por que tantos europeus se mobilizam contra enfermidades (Aids, câncer etc.), acidentes (de trânsito e trabalho) e violências (terrorismo, guerra, homicídios etc.), mas são indiferentes ao principal fator de morte precoce, a fome?

Por que os europeus parecem preferir a segurança à liberdade, e são tão condescendentes com a política agressiva do governo dos EUA, que busca a paz pela imposição das armas? Por que não preferir a proposta de Isaías, de construir a paz como fruto da justiça? (32, 17)

Quais os sinais, hoje, de solidariedade efetiva dos europeus com os pobres da África, da Ásia e da América Latina?

Raízes Indígenas
É um erro considerar a América Latina a partir dos últimos quinhentos anos. Mais do que os traços deixados pela colonização ibérica, é o passado da Ameríndia que melhor traduz a nossa identidade. Relegar ao olvido as raízes indígenas da América é uma maneira cínica de tentar encobrir o genocídio promovido pela empresa colonizadora. Se há uma trágica realidade na qual cabe acertadamente o vocábulo "holocausto" é na América. No primeiro século da colonização foram dizimados milhões de indígenas. Em nome da civilização e da fé cristã...

Na mensagem dos bispos do Brasil por ocasião dos quinhentos anos de evangelização, eles reconhecem que "a nação brasileira não pode identificar-se apenas com os seus últimos quinhentos anos de história. Quando ali chegaram, os portugueses já encontraram habitantes nestas terras, uma multiplicidade de povos, de origens e línguas diversas. (...) Muito mais graves do que as dificuldades que ainda hoje permanecem quanto ao reconhecimento dos direitos dos povos indígenas são as violações desses direitos operadas pelos conquistadores lusitanos -- até o extermínio de uma parte relevante dessas populações".

O etnocentrismo europeu impede que a América seja reconhecida em sua identidade, em sua cultura, em seus valores. Houve, sim, louváveis exceções, como Bartolomeu de las Casas, Antonio de Montesinos, Pedro de Córdoba, padre Vieira e outros. Mas a postura deles parece, ainda hoje, pouco compreendida pelos europeus e por aqueles que, na América, têm uma mentalidade europeizada.

No século 15, a Europa já havia assimilado Aristóteles e, com efeito, imprimido fundamentos racionais à teologia (Tomás de Aquino) e à política (Maquiavel). Como todo ponto de vista é a vista a partir de um ponto, os europeus encararam o Novo Continente pela ótica do preconceito. Não foram capazes de apreender a consistência e a profundidade do saber indígena, as dimensões teológica e teologal de suas crenças, os avanços civilizatórios (comparados aos dos europeus) das comunidades aldeadas. O diferente apareceu como divergente, o estranho como ameaçador, o inusitado como maldição. A ponto de teólogos europeus se perguntarem se os indígenas tinham alma e lhes justificarem o genocídio (Ginés de Sepúlveda), pois se sabia que praticavam o canibalismo.

Ora, na França, no dia de São Bartolomeu (1572), Jean de Léry, que viveu no Brasil entre 1556 e 1558, presenciou cenas de canibalismo que superavam o que vira entre os nossos índios. Em Histoire d'un Voyage Fait en la Terre du Brésil, publicado em 1578, ele descreve ter presenciado leilões, em Lyon e Auxerre, onde se vendiam a gordura humana e o coração assado sobre brasas das vítimas protestantes do fundamentalismo católico...

Ao menos a antropofagia dos índios era um ritual. Por isso ele escreve: "O que se pratica entre nós... Em boa e sã consciência tenho que excedem em crueldade os selvagens... Entre outros atos de horrenda recordação, não foi a gordura das vítimas trucidadas em Lyon muito mais barbaramente do que pelos selvagens, publicamente vendida em leilão e adjudicada ao maior lançador? O fígado e o coração, e outras partes do corpo de alguns indivíduos, não foram comidos por furiosos assassinos de que se horrorizam os infernos?... Não abominemos, portanto, demasiado a crueldade dos selvagens antropófagos".

Europa civilizada?
Fala-se do atraso da América Latina, da pobreza que condena a uma vida indigna cerca de 200 milhões de habitantes, de um total de 500 milhões, dos massacres de camponeses na Guatemala e das crianças de rua no Brasil. Mas o que representa isso diante da mortandade daas duas grandes guerras mundiais que tiveram a Europa como palco, o lastro de miséria e genocídio deixado pelos europeus em suas ex-colônias na África, as atuais relações comerciais injustas entre o norte e o sul do mundo?

Não há ninguém mais culto do que o outro, ensina Paulo Freire. Existem sim culturas distintas, paralelas e socialmente complementares. O saber de um teólogo é um patrimônio tão importante quanto o de uma cozinheira. A diferença é que a escolaridade do primeiro concede-lhe uma excelência que o preconceito social nega à mulher da cozinha. É bom lembrar que ela vive sem o saber dele, mas ele não sobrevive sem a cultura culinária dela...

Há um outro princípio pedagógico que a Europa não foi capaz de absorver: a cabeça pensa onde os pés pisam. Ou seja, o mesmo olho teológico não enfoca do mesmo modo a mesma realidade, se mantém os pés no mundo do colonizador ou no mundo do colonizado. Las Casas talvez não fosse capaz de reconhecer a dignidade dos indígenas se, adolescente, não tivesse convivido em Sevilha com o indiozinho que o pai, piloto de Colombo, lhe trouxe de presente do Caribe...

O eurocentrismo é a doença senil de uma cultura que se deslocou da realidade e, portanto, cujo universo de conceitos paira acima da vida real. Foi na Alemanha de Kant, Beethoven e Einstein que Hitler aqueceu o caldo de cultura que resultou nas atrocidades do nazismo. Portugal teve Salazar, a Itália, Musolini, a Espanha, Franco, todos sob as bênçãos cúmplices da Igreja Católica. E hoje pode-se dizer que a Europa Ocidental é o espaço, por excelência, da democracia? Por que ela encara com tanta suspeita Cuba -- cujos avanços na saúde e na educação foram elogiados por João Paulo II, em sua viagem de 1988 e o governo de Chávez, na Venezuela, e de Morales, na Bolívia, apoiados pela maioria da população? Tony Blair, com seu respaldo à agressão imperialista de Bush -- no Afeganistão, no Iraque e no Líbano --, é exemplo de democracia? E a indiferença dos governos europeus diante do esgarçamento das condições sociais, econômicas e políticas da África é exemplo de democracia? Como falar em democracia quando estrangeiros são considerados intrusos e muçulmanos virtuais terroristas?

Texto de Frei Betto publicado na revista Caros Amigos, ano X, nº 114, setembro/2006, p. 14.

Nenhum comentário:

Marcadores

Comportamento (719) Mídia (678) Web (660) Imagem (642) Brasil (610) Política (501) Reflexão (465) Fotografia (414) Definições (366) Ninguém Merece (362) Polêmica (346) Humor (343) link (324) Literatura (289) Cristianismo (283) Maya (283) Sublime (281) Internacional (276) Blog (253) Religião (214) Estupidez (213) Português (213) Sociedade (197) Arte (196) La vérité est ailleurs (191) Mundo Gospel (181) Pseudodemocracia (177) Língua (176) Imbecilidade (175) Artigo (172) Cotidiano (165) Educação (159) Universidade (157) Opinião (154) Poesia (146) Vídeo (144) Crime (136) Maranhão (124) Livro (123) Vida (121) Ideologia (117) Serviço (117) Ex-piritual (114) Cultura (108) Confessionário (104) Capitalismo (103) (in)Utilidade pública (101) Frases (100) Música (96) História (93) Crianças (88) Amor (84) Lingüística (82) Nojento (82) Justiça (80) Mulher (77) Blábláblá (73) Contentamento (73) Ciência (72) Memória (71) Francês (68) Terça parte (68) Izquerda (66) Eventos (63) Inglês (61) Reportagem (55) Prosa (54) Calendário (51) Geléia Geral (51) Idéias (51) Letras (51) Palavra (50) Leitura (49) Lugares (46) Orkut (46) BsB (44) Pessoas (43) Filosofia (42) Amizade (37) Aula (37) Homens (36) Ecologia (35) Espanhol (35) Cinema (33) Quarta internacional (32) Mudernidade (31) Gospel (30) Semiótica e Semiologia (30) Uema (30) Censura (29) Dies Dominicus (27) Miséria (27) Metalinguagem (26) TV (26) Quadrinhos (25) Sexo (25) Silêncio (24) Tradução (24) Cesta Santa (23) Gente (22) Saúde (22) Viagens (22) Nossa Linda Juventude (21) Saudade (21) Psicologia (18) Superação (18) Palestra (17) Crônica (16) Gracinha (15) Bizarro (14) Casamento (14) Psicanálise (13) Santa Casa de Misericórdia Franciscana (13) Carta (12) Italiano (12) Micos (12) Socialismo (11) Comunismo (10) Maternidade (10) Lêndias da Internet (9) Mimesis (9) Receita (9) Q.I. (8) Retrô (8) Teatro (7) Dããã... (6) Flamengo (6) Internacional Memória (6) Alemão (5) Latim (5) Líbano (5) Tecnologia (5) Caninos (4) Chocolate (4) Eqüinos (3) Reaça (3) Solidão (3) TPM (2) Pregui (1)

Arquivo