Creio que não existe nada de mais belo, de mais profundo, de mais simpático, de mais viril e de mais perfeito do que o Cristo; e eu digo a mim mesmo, com um amor cioso, que não existe e não pode existir. Mais do que isto: se alguém me provar que o Cristo está fora da verdade e que esta não se acha n'Ele, prefiro ficar com o Cristo a ficar com a verdade. (Dostoievski)

FAÇA COMO EU: VISITE O BLOG DELES, E SIGA-OS TAMBÉM! :)

31 de jul de 2008

Arnaldo Jabor



Batman, Osama e Obama
.
Fui ver o Batman, claro. É impossível ignorar esta oitava arte que surge em Hollywood: os efeitos, os computadores criando odisséias tecnológicas homéricas do século 21. O filme é espantosamente constelado, ''risômico'', explodido, até difícil de acompanhar para um linear tropical como eu. Pensava em ver mais um show tipo Missão Impossível, mas não é. É mais.
.
Os filmes-catástrofes ou as aventuras dos efeitos especiais pareciam dizer: ''Nós somos a América, nós temos a cultura da certeza! Aqui tudo tem princípio meio e fim. Aqui, tudo está sob controle e termina como nós queremos. Aqui há a competência!''
.
Mas, aí, um belo dia, os aviões se chocaram com as torres em NY. E dá para ver que a queda do WTC está ali, como uma cicatriz na dramaturgia americana. O 11 de Setembro criou uma era de ambivalência para o cinema. Acabaram mocinhos x bandidos.
.
O sintoma fica claro com a extraordinária interpretação de Heath Ledger (O neo-Coringa), que gira isolado criando uma obra-prima rara no cinema, uma ilha de cinismo contemporâneo, misturando bem e mal, misturando horror e simpatia, matando com um sadismo sofisticado e depois (plano inesquecível) saboreando o vento fresco na noite na janela de um carro, com sua cara de palhaço desenhada por um Pollock ou Rauchenberg. ''Escolhi o caos'' - ele diz para o Batman. Heath, de certo modo, faz uma crítica ao próprio filme. Heath é quase uma paródia do ''grande espetáculo'', é um marginal dentro do elenco.
.
Ele nos aponta para um outro filme que poderia existir, além das raízes moralizantes e aristotélicas deste, bem escondidas, sem dúvida, mas que estão lá. Heath lembra Johnny Deep em Piratas do Caribe, lembra também a genial presença de Anthony Hopkins em Silêncio dos Inocentes. Os três atores estão adiante dos filmes que lhes pagam. Os três, Hannibal the Canibal inclusive, nos fascinam porque parecem estar mais além de uma moral antiga, que eles contemplam, do outro lado do Bem. Hannibal e Heath parecem saber mais do que nós, que vivemos ainda mergulhados em dúvidas morais e culpas.
.
Nada mais atraente que a psicopatia elegante. No mundo cruel de hoje, todos queremos ser como Hannibal, longe de uma arcaica compaixão.
.
O Coringa Heath nos apavora e nos atrai, e não conseguimos odiá-lo completamente porque ele é extremamente contemporâneo. É como se ele dissesse: ''Nenhum saber, nem ética, nada vai apagar o animal feroz que nos habita. Eu sou uma vanguarda.'' Ele diz no filme para um perplexo Batman: ''Eu não quero te matar; você me completa.'' E completa: ''Não sou um monstro; estou além da curva...'' Heath Ledger é apavorante porque não tem motivo claro para agir. Sua única regra é mostrar o absurdo de querer impor ordem no caos. Ele encarna os impulsos destrutivos humanos inexplicáveis. Como Hannibal. Ou, na vida real (se ela ainda existe), como o Muhamed Atta, o chefe dos terroristas do 9/11. Ele não tinha religião, não cria em Alá, não tinha ideologia política, era químico na Alemanha, não tinha motivos. Ele queria fazer o impensável, o inominável, acima de qualquer crime, queria conhecer aquela fração de segundo entre a vida e a morte, com a parede do WTC tocando o nariz do Boeing.
.
E aí, pensamos: Para que praticar o bem se ele não é mais possível? Quando pedimos o bem, falamos como de uma harmonia perdida. Será que ela já houve? Invenção platônica, iluminista neste mundo sujo? Pensamos com o corpo, queremos que o mundo seja um ''todo harmônico'', como o nosso organismo. A idéia de ''fragmentário'' gera angústia porque lembra a morte.
.
E o mal?
.
O mal virou uma necessidade social. Não dá mais para viver sem praticar o mal. O mal é um mecanismo de defesa. Ao denunciar o Mal, vivemos dele. Eu lucro, sendo um cara legal que denuncia o mal e assim escapo da fome, comendo a comida de quem lamento. O Bem não dá filme. Já os psicopatas estouram bilheterias. Se não há um mal claro, como seremos bons? O Mal é sempre o outro. Nunca somos nós. Ninguém diz, de fronte alta: ''Eu sou o mal!'' Ou: ''Muito prazer, Diabo de Oliveira...'' Como inventar uma ''praxis'' do bem? O que é o bem hoje? Será lamentar tristemente uma impotência, um negror melancólico?
.
Heath Ledger, o Coringa, nos lembra inevitavelmente o Osama bin Laden. Ele também veio sem motivo, do nada, e fez o maior filme-catástrofe da história. Não haveria este Batman sem Osama; não está no enredo - está no ar.
.
Achávamos que haveria um futuro confortável no século 21. Mas, Osama não está em nosso tempo. Osama nos fala de fora do tempo, da história. Osama mora na eternidade. Queremos desesperadamente explicá-lo à luz da razão, mas ele é imune a interpretações. Osama nos fez ver a grande montanha de lixo que se escondia sob o progresso, a razão do Ocidente. Desmoralizou a América, nosso mito de competência e dirigiu, comandou todos os erros pavorosos da vingança americana. Nunca a América errou tanto como sob esse estafermo do Bush. Toda a trapalhada ocidental, o Mal ocidental escondido sob o ''Bem'' apareceu, o eixo ocidental do Mal.
.
E Obama? Agora ele surgiu, prometendo o Bem. Obama é uma antítese simétrica do Osama. Será? Será que depois de uma década do que Norman Mailer chamou de ''tempestade de merda'', a história deseja um espasmo de mudança para o ''bem?
.
''Pode ser que Obama encarne uma tendência histórica, não da América apenas, mas do mundo. Não é o messias, claro. No entanto, mais importante que sua eleição pessoal, é o fato de que ele pode eleger uma nova consciência na América. Pode ser que descubramos que o mundo atual não é só esta bosta que os reacionários criaram. O mundo tem mil possibilidades de riquezas, de milagres científicos e culturais, que estão esmagados pela estupidez endêmica dos fundamentalistas dos USA. Uma vitória do Obama, depois de Osama, depois de Batman pode não apenas combater o mal do mundo, mas restaurar um Bem perdido.
.
O Coringa genial de Heath Ledger é o sintoma de um mal ridículo que tem de acabar.
.
***
.
Arnaldo Jabor, no jornal O Estado de S.Paulo, via Pavablog
.
***
.
NOTA: Fui ver o Batman, também. A interpretação do Haeth Ledger é uma das mais completas a que já assisti. O filme é ideologicamente conduzido, isso é muito claro e nada sutil. O discurso do Coringa é o discurso do "Mal" que justifica todos os atos de Batman/Bush, como o uso da tortura para interrogar. Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência.

3 comentários:

Charles Morphy disse...

Estranho como quase todas as análises do Jabor nos últimos tempos trazem um paralelo com a queda do WTC. O Coringa foi muitas vezes retratado como um psicopata-terrorista-anárquico nos quadrinhos (o personagem tem quase 60 anos!), assim como o Batman já usou de tortura antes (muitas, muitas vezes). Esse paralelo do "Cavaleiro das Trevas" com a doutrina Bush e com o mundo atual é pobre, inocente e por demais dicotômico...

Maya disse...

Olha, Charles, mas antes a maldade não era tão "terrorista", e tinha uma causa: o dinheiro. Hoje, as feições do Coringa me parecem bem próximas da caracterização de "terrorista" dada pelos EUA a certos personagens da vida real...

Mas de fato, como vc diz não há grandes mudanças; creio que o que transforma tudo é a lupa do contexto, ou seja, as representações são lidas também (e talvez principalmente) em relação à situação política do mundo hoje, assim como muitos heróis foram criados após a II Guerra Mundial, durante a Guerra Fria, e havia um contexto, uma história, uma ideologia embutida na criação deles, ou seja, não era nada "por acaso".

Obrigada por seu comentário, seja sempre bem-vindo.

:)

Paula disse...

Maya, vc não acha q, simplesmente dando destaque ao botãozinho de "idéias sobre" (título q na minha opinião poderia ser mudado com vantagens para "comente") aumentaria o grau de interação com os leitores do blog?
A propósito, concordo com o Charles. E, mesmo não lendo Batman há tempos, creio q seus vilões são mais movidos pelo Mal q por ganância. Como o Bane, q afinal mata o Batman, e por isso nunca foi pras telas.

Marcadores

Comportamento (719) Mídia (678) Web (660) Imagem (642) Brasil (610) Política (501) Reflexão (465) Fotografia (414) Definições (366) Ninguém Merece (362) Polêmica (346) Humor (343) link (324) Literatura (289) Cristianismo (283) Maya (283) Sublime (281) Internacional (276) Blog (253) Religião (214) Estupidez (213) Português (213) Sociedade (197) Arte (196) La vérité est ailleurs (191) Mundo Gospel (181) Pseudodemocracia (177) Língua (176) Imbecilidade (175) Artigo (172) Cotidiano (165) Educação (159) Universidade (157) Opinião (154) Poesia (146) Vídeo (144) Crime (136) Maranhão (124) Livro (123) Vida (121) Ideologia (117) Serviço (117) Ex-piritual (114) Cultura (108) Confessionário (104) Capitalismo (103) (in)Utilidade pública (101) Frases (100) Música (96) História (93) Crianças (88) Amor (84) Lingüística (82) Nojento (82) Justiça (80) Mulher (77) Blábláblá (73) Contentamento (73) Ciência (72) Memória (71) Francês (68) Terça parte (68) Izquerda (66) Eventos (63) Inglês (61) Reportagem (55) Prosa (54) Calendário (51) Geléia Geral (51) Idéias (51) Letras (51) Palavra (50) Leitura (49) Lugares (46) Orkut (46) BsB (44) Pessoas (43) Filosofia (42) Amizade (37) Aula (37) Homens (36) Ecologia (35) Espanhol (35) Cinema (33) Quarta internacional (32) Mudernidade (31) Gospel (30) Semiótica e Semiologia (30) Uema (30) Censura (29) Dies Dominicus (27) Miséria (27) Metalinguagem (26) TV (26) Quadrinhos (25) Sexo (25) Silêncio (24) Tradução (24) Cesta Santa (23) Gente (22) Saúde (22) Viagens (22) Nossa Linda Juventude (21) Saudade (21) Psicologia (18) Superação (18) Palestra (17) Crônica (16) Gracinha (15) Bizarro (14) Casamento (14) Psicanálise (13) Santa Casa de Misericórdia Franciscana (13) Carta (12) Italiano (12) Micos (12) Socialismo (11) Comunismo (10) Maternidade (10) Lêndias da Internet (9) Mimesis (9) Receita (9) Q.I. (8) Retrô (8) Teatro (7) Dããã... (6) Flamengo (6) Internacional Memória (6) Alemão (5) Latim (5) Líbano (5) Tecnologia (5) Caninos (4) Chocolate (4) Eqüinos (3) Reaça (3) Solidão (3) TPM (2) Pregui (1)

Arquivo