Creio que não existe nada de mais belo, de mais profundo, de mais simpático, de mais viril e de mais perfeito do que o Cristo; e eu digo a mim mesmo, com um amor cioso, que não existe e não pode existir. Mais do que isto: se alguém me provar que o Cristo está fora da verdade e que esta não se acha n'Ele, prefiro ficar com o Cristo a ficar com a verdade. (Dostoievski)

FAÇA COMO EU: VISITE O BLOG DELES, E SIGA-OS TAMBÉM! :)

7 de jun de 2008

Os nazi europeus de hoje




A grande muralha da União Européia

Participando da Primeira Guerra Mundial como simples soldado, o deputado francês André Maginot recebeu um balaço que o aleijou. Ao se tornar ministro da Guerra em 1929, Maginot convenceu a França de que era necessário erguer muralha inexpugnável contra a Alemanha, ao longo da fronteira entre os dois países. A linha Maginot, construída em 1938, era uma série de fortificações de espesso concreto armado, blindadas contra a artilharia da época, com alojamentos de ar condicionado para seus soldados, e guarnecidas pelo melhor armamento disponível. Seu criador deixou o cargo quando as obras começavam, em 1931. A morte o poupou de ver sua grande obra mostrar-se inútil. Os alemães esquivaram-se de confrontar-se com a linha de fortificações. Simularam que pretendiam rompê-la, com manobras diversionistas, enquanto entravam na Bélgica, e em poucos dias de maio de 1940 penetravam em território francês. A Linha Maginot não protegia a França contra a Bélgica, nem a Bélgica contra a Alemanha.

Os governos da França, da Alemanha, da Itália e da Grã-Bretanha, com o apoio tácito dos demais países da União Européia, decidiram adotar medidas duras contra os imigrantes procedentes de países estranhos à sua confederação. Pretendem erguer muralha, tanto mais sólida quanto mais intangível, para impedir a invasão dos estrangeiros. No século 19, sempre que havia problemas econômicos, os europeus vinham para a América. A partir de 1880, e durante quase todo o século 20 - com as duas guerras - continuou o fluxo migratório para o Brasil e a Argentina.

Há 30 anos, trabalhadores italianos, espanhóis e portugueses (os gastarbeiter) eram discriminados na França, na Alemanha e na Inglaterra. Agora se unem a seus antigos discriminadores contra latino-americanos, árabes e africanos. Não suportam a presença de negros, nem de mestiços. Um simples lenço na cabeça das mulheres muçulmanas é insulto a seu senso estético. As novas regras prevêem campos de concentração, nos quais os imigrantes ilegais podem ficar detidos durante seis meses, enquanto se providencia a expulsão. Além disso, podem ser condenados a quatro anos e, quem lhes alugar moradias, a três anos de prisão. O descendente de húngaros Sarkozy se alia à alemã Merkel e ao italiano Berlusconi nessa cruzada.

A xenofobia na Europa e o reforço militar americano na fronteira com o México obrigam os países latino-americanos a adotarem medidas comuns de defesa. Novas provocações são esperadas nas fronteiras com a Colômbia, sobretudo depois que o laudo suspeitíssimo, da Interpol, dá crédito ao conteúdo de disco rígido que os colombianos alegam ter recolhido de laptop das Farc. Cautelosamente, o New York Times não confere veracidade ao exame da Interpol. O mundo sabe como tais provas são construídas pelos ingleses e americanos, desde o caso do Iraque. Não é apenas na Colômbia que podem ocorrer provocações: a Tríplice Fronteira continua sendo uma tentação para o Pentágono e a CIA. E Barack Obama declara que a Amazônia "é um recurso global".

***


Texto lúcido de Mauro Santayana publicado no Jornal do Brasil de 25/05/2008, p. A2

IMAGENS: Web

Os destaques em negrito são nossos.

***

Sobre a ocupação estadunidense na tríplice fronteira Brasil-Paraguai-Argentina-Uruguai, visite:

http://vozdoseven.weblog.com.pt/arquivos/201374.html

http://www.rel-uita.org/internacional/gigante_cidiciado-por.htm

http://www.defesa.ufjf.br/arq/Art173.htm

Nenhum comentário:

Marcadores

Comportamento (719) Mídia (678) Web (660) Imagem (642) Brasil (610) Política (501) Reflexão (465) Fotografia (414) Definições (366) Ninguém Merece (362) Polêmica (346) Humor (343) link (324) Literatura (289) Cristianismo (283) Maya (283) Sublime (281) Internacional (276) Blog (253) Religião (214) Estupidez (213) Português (213) Sociedade (197) Arte (196) La vérité est ailleurs (191) Mundo Gospel (181) Pseudodemocracia (177) Língua (176) Imbecilidade (175) Artigo (172) Cotidiano (165) Educação (159) Universidade (157) Opinião (154) Poesia (146) Vídeo (144) Crime (136) Maranhão (124) Livro (123) Vida (121) Ideologia (117) Serviço (117) Ex-piritual (114) Cultura (108) Confessionário (104) Capitalismo (103) (in)Utilidade pública (101) Frases (100) Música (96) História (93) Crianças (88) Amor (84) Lingüística (82) Nojento (82) Justiça (80) Mulher (77) Blábláblá (73) Contentamento (73) Ciência (72) Memória (71) Francês (68) Terça parte (68) Izquerda (66) Eventos (63) Inglês (61) Reportagem (55) Prosa (54) Calendário (51) Geléia Geral (51) Idéias (51) Letras (51) Palavra (50) Leitura (49) Lugares (46) Orkut (46) BsB (44) Pessoas (43) Filosofia (42) Amizade (37) Aula (37) Homens (36) Ecologia (35) Espanhol (35) Cinema (33) Quarta internacional (32) Mudernidade (31) Gospel (30) Semiótica e Semiologia (30) Uema (30) Censura (29) Dies Dominicus (27) Miséria (27) Metalinguagem (26) TV (26) Quadrinhos (25) Sexo (25) Silêncio (24) Tradução (24) Cesta Santa (23) Gente (22) Saúde (22) Viagens (22) Nossa Linda Juventude (21) Saudade (21) Psicologia (18) Superação (18) Palestra (17) Crônica (16) Gracinha (15) Bizarro (14) Casamento (14) Psicanálise (13) Santa Casa de Misericórdia Franciscana (13) Carta (12) Italiano (12) Micos (12) Socialismo (11) Comunismo (10) Maternidade (10) Lêndias da Internet (9) Mimesis (9) Receita (9) Q.I. (8) Retrô (8) Teatro (7) Dããã... (6) Flamengo (6) Internacional Memória (6) Alemão (5) Latim (5) Líbano (5) Tecnologia (5) Caninos (4) Chocolate (4) Eqüinos (3) Reaça (3) Solidão (3) TPM (2) Pregui (1)

Arquivo