Creio que não existe nada de mais belo, de mais profundo, de mais simpático, de mais viril e de mais perfeito do que o Cristo; e eu digo a mim mesmo, com um amor cioso, que não existe e não pode existir. Mais do que isto: se alguém me provar que o Cristo está fora da verdade e que esta não se acha n'Ele, prefiro ficar com o Cristo a ficar com a verdade. (Dostoievski)

FAÇA COMO EU: VISITE O BLOG DELES, E SIGA-OS TAMBÉM! :)

22 de jun de 2008

é o que não pode ser


Nada mais nos surpreende. São tantas as informações, tantas as desgraças, que não temos como processar tudo nem saber o que é bom ou não é. A mídia cria e destrói comportamentos aprováveis ou não, e um dos mais reprováveis, mais criticados, mais exaustivamente rotulados de "mau" é o comportamento dos que decidem considerar a Bíblia a palavra final acerca de conduta moral, aprovação ou reprovação no que diz respeito a questões modernas ligadas à sexualidade, ao uso de drogas, ao aborto e a tantas mais.

Todos consideram excelente quando um cristão se manifesta contra a guerra, contra a concentração de renda, a exploração capitalista do homem pelo homem e toda sorte de mazela gerada em nível econômico, político e social. Mas, quando esse mesmo cristão profere opiniões contrárias ao aborto, ao comportamento homoerótico, ao uso de drogas, à adoção de crianças por casais gays, ao adultério, ao sexo casual, descompromissado, bom, aí já é outra história. A mesma pessoa, então, passa a ser condenada e tachada de retrógrada, reacionária, conservadora e destruidora da possibilidade de um mundo "livre" e "moderno".

Entretanto, aspectos da vida pessoal do ser humano conduzem sua vida social, e a distinção que se faz entre o público e o privado é, ela mesma, originada na ideologia capitalista. Sem me deter na explanação teórica sobre esse aspecto, recorro à Bíblia, na qual Jesus disse, há mais de dois mil anos, que é muito difícil um rico entrar no Reino de Deus. Seria por causa de seus bens materiais, em si mesmos? Certamente, não. O fato é que o rico, até para ser rico, para ganhar seus bens e conservá-los, precisa ser desmedidamente ambicioso, materialista, egoísta e superficial. Cobiça o que não é seu e não se apieda do que tem menos -- por isso acumula, porque não divide, tem dificuldades em compartilhar. Aspectos da moral adotada pelo rico se refletem em sua vida social. Até aí creio que "modernos" e "antenados" concordam comigo.

Karl Marx explicou muito bem o sistema injusto no qual vivemos, que permite discrepâncias que vão do faminto que morre por não ter o que comer ao bilionário que tem um avião particular. A teoria econômica de Marx colocou os pingos nos is e mostrou que é o trabalho que atribui valor às mercadorias, e que só por meio da mais-valia, da exploração do trabalho do outro é que alguém pode se apropriar individualmente do fruto do trabalho que é coletivo. Há desdobramentos, porque hoje vivemos o imperialismo, um "upgrade" do capitalismo.
..
Marx não explicou, contudo, o que leva o homem a agir de modo a acumular para si riquezas que a ferrugem e a traça hão de destruir. Não explicou porque o homem não compartilha, não sabe agir com a verdade, não aprendeu a ser honesto nem consigo mesmo nem com seu próximo. Porque é necessário mentir, enganar, roubar, agir desonestamente, hoje, se alguém deseja ser rico, ter sucesso, bens materiais e prestígio.

Aí, então, chegamos ao pecado e às noções de decadência moral que só podem ser explicadas espiritualmente. O homem é um pecador, segundo a Palavra de Deus. Não é pecador porque peca; peca porque é pecador. Essa é a sua condição. A diluição da noção de pecado tem trazido à sociedade a relativização de todo tipo de comportamento, toda sorte de conduta. Cada um faz de si o que quer, e isso faz parte do livre-arbítrio que todos temos. O Estado não pode nem deve dirigir a maneira como alguém maior de idade deseja conduzir sua vida. Mas o Estado deve validar todas as formas de conduta? E quando escolhas a princípio unicamente subjetivas interferem na vida coletiva? Isso é o que quase sempre ocorre.

Para explicar esse fenômeno costumamos nos deter no capitalismo e em seus pilares, nas instituições que dão suporte a esse sistema, nas leis que respaldam a apropriação indébita, na conformação internacional dos países, que divide o mundo entre ricos e pobres. O comportamento individual que sustenta o sistema, assim, é alicerçado em leis, instituições, formas de governo e mecanismos econômico-sociais que o validam. O problema é que os estudiosos, raras exceções, costumam se ater, em seus estudos e críticas, às conseqüências -- e não chegam nunca às causas.
.
Mas há outras formas de comportamento individual que são nocivas, também, à coletividade. Pela extensão dos danos causados a terceiros, pela ausência de critérios ou diretrizes, pela normalização de sua prática e o que isso causa. Essas "maneiras de viver", consideradas tão válidas quanto quaisquer outras, perdem em sobriedade, racionalidade, comedimento, sabedoria. Mas, tão justificadas estão para a manutenção do sistema que são tidas como intrínsecas ao homem e necessárias à própria existência deste. O ser humano, modernamente, coloca seus desejos e interesses, todos eles, acima do bem estar do outro, e acha que essa é a forma natural de viver: egolatramente centrado, egoísta, nascisista. Como diz o Renato Russo, em "Baader-Meinhoff Blues", "afinal, amar ao próximo é tão démodée".
.
Não é só a ganância e o roubo que transformam a sociedade na excrescência que ela é. A luxúria, a mentira e a lascívia, só para citar mais três, transformam o homem na "coisa" que o capitalismo necessita, como disse Marx ao afirmar que o sistema promove a reificação do homem (res, do latim, coisa). É fundamental, neste mundo de múltiplas sensações, experimentar o que é "novo"; ter além do que é necessário; obedecer aos "impusos"; ceder aos desejos. De mestre de si mesmo, racional, o homem dá vazão a todas as suas perversões e se ajoelha diante de todos os seus desejos, fraquezas e imperfeições. O desejo, por si só, justifica a falsa libertação em um mundo que aprisiona o ser humano dentro de seus instintos e o faz crer que "ter" é igual a "ser". O corpo passa, de algo individual e sagrado, à coisificação por meio do sexo, da droga, do consumo da moda e do que quer que traga mais "sensações diferentes" a um ser humano frustrado e vazio, insatisfeito consigo mesmo.

Assim, adolescentes anoréxicas acreditam entrar em um mundo no qual a conformação estética se adapta ao mercado da moda. Senhores pedófilos recorrem a redes internacionais a fim de satisfazer a desejos sexuais com crianças. Consideram eles que esses desejos são naturais e incontroláveis, e, por conta disso, fazem parte da natureza humana. Cresce o tráfico internacional de crianças, e na Holanda está em vias de ser legalizado um partido que milita pela causa da pedofilia. Também crescem a prostituição e o tráfico internacional de mulheres, que vendem sexo e fazem disso uma profissão, já legalizada na Asutrália e na Holanda, por exemplo. Aumenta o tráfico de órgãos, quase sempre "doados" por pobres e "consumidos" por ricos. Do mesmo modo se instituem os tráficos de drogas e de armas. As drogas sustentam dependentes em todo o mundo, mas o maior consumo se dá também nos países ricos. As armas são usadas em guerras civis de países africanos e asiáticos, quase sempre.

Essas operações financeiras, legais ou não, sustentam o mundo capitalista. Assim, o consumo de álcool, legal em quase todos os países, cresce exponencialmente, pois é preciso um mercado consumidor para a grande produção de hoje. Na Rússia, morrem mais pesoas por conta do consumo excessivo de álcool do que de acidentes de trânsito, por exemplo. Aliás, o trânsito é caótico na maior parte das grandes cidades, mas a indústria automobilística vende como nunca e não interessa aos governos, submissos aos interesses do capital, promover transportes públicos de qualidade.

O problema é que não nos chocamos mais. Aliás, a sociedade se escandaliza, mas é seletiva. Recentemente, no Brasil, foi proposto um projeto de lei que proibiria a propaganda de álcool. Nada melhor, em um país em que o consumo é associado à boa performance sexual, ao sucesso financeiro, à alegria e à admiração pública. Sobretudo entre adolescentes são assustadoramente altos os índices de alcoolismo. Acidentes de trânsito têm como sua maior causa a embriaguez. Entretanto, o PL não entrou nem sequer em votação, na Câmara dos Deputados, pois isso seria danoso aos interesses econômicos da Ambev e da Rede Globo, por exemplo. A saúde das pessoas não interessa -- vender mais cerveja, sim. Quem ficou indignado com esta manipulação política, gerada pelo dinheiro? A trágica morte da menina Isabela mobilizou o país, mas a cruel execução de três jovens no Rio de Janeiro não teve tanta audiência. O mal, quase sempre, não nos assusta nem nos mobiliza.
.
O fato é que são tantas as notícias que retratam o absurdo da vida neste planeta que nos tornamos insensíveis, finalmente, ao absurdo. De tanto sermos expostos às conseqüências do mal e de vermos que o bem não se sobrepõe a ele, criamos mecanismos psicológicos para conseguirmos viver, apesar de.
.
Circulam na internet vídeos, fotos, notícias que já não chamam a atenção. Na revista Veja de 18/06, por exemplo, há uma reportagem de capa com o bilionário Eike Batista. Não nos causa constrangimento saber que "Eike é bilionário assumidíssimo" em um país de maioria miserável -- aliás, em um mundo de pobreza que é este. Eike "mora numa casa de 3500 metros quadrados" quando nas favelas famílias inteiras dividem cômodos de menos de quatro metros quadrados, sem água encanada, sem luz. O terreno da casa de Eike tem "60 000 metros quadrados", num país em que não há reforma agrária nem urbana, e onde o pobre miserável consegue um pedaço de chão, mesmo, quando morre e tem seus sete palmos embaixo da terra garantidos.

Outro dia tentei ver um vídeo sobre o Museu de Arte Erótica do Grupo Gay da Bahia, algo assim. Isso também não chocaria muita gente, mas eu não consegui ir até o final. A imagem de Luiz Mott ao lado da escultura de uma criança nua, isso aliado ao fato de que ele defende abertamente a pedofilia, me deixaram de tal modo perturbada que não consegui ver toda a filmagem.

O "estilo de vida" de Eike Batista e de Luiz Mott interferem, sim, na vida de outros, na medida que implicam, de modo direto ou indireto, a desgraça do próximo. Do mesmo modo é a opção de uma mulher pelo aborto. A criança que está em seu útero não é propriedade dela, apesar de depender de seu organismo durante o período da gestação. Mas, entre a vida da criança e a "liberdade" da mulher, muitos acham lógico que a mulher possa matar a vida que está dentro de si. Pessoas que consomem cocaína também reivindicam poder fazê-lo de acordo com sua "opção", apesar de isso incitar o tráfico e a violência.

Como se vê, nem todo comportamento de caráter moral tido como pessoal, de foro íntimo e subjetivo atinge somente seu praticante. Se formos pensar em diversas outras práticas que a princípio são tidas como unicamente pessoais, perceberemos que elas ecoam em nível social mais do que desejaríamos admitir. Mas, infelizmente, nada disso nos surpreende.

***

Mayalu Felix

2 comentários:

Juber Donizete Gonçalves disse...

Maya,

Como você disse Marx, explicou o sistema de produção capitalista, mas não explica tudo, como a idéia que os marxistas tentam passar. É claro que a filosofia e sociologia ajuda a entender muita coisa, mas não explica determinadas coisas. É a luz da Bíblia que consigo entender a decadência moral e espiritual dos nossos dias.

Obrigado pela visita ao meu blog,

Juber

Márcio Melânia disse...

Maya,

Paz!

Gostei muito de seu blog, e estou adorando seus comentários aqui no Notícias Cristãs.
Vi que você colocou o widget do NC. Gostaria que você me enviasse o códgio de um mini-banner ou de um widget para estabelecermos de fato nossa parceria, ook?

Um abraço

Marcadores

Comportamento (719) Mídia (678) Web (660) Imagem (642) Brasil (610) Política (501) Reflexão (465) Fotografia (414) Definições (366) Ninguém Merece (362) Polêmica (346) Humor (343) link (324) Literatura (289) Cristianismo (283) Maya (283) Sublime (281) Internacional (276) Blog (253) Religião (214) Estupidez (213) Português (213) Sociedade (197) Arte (196) La vérité est ailleurs (191) Mundo Gospel (181) Pseudodemocracia (177) Língua (176) Imbecilidade (175) Artigo (172) Cotidiano (165) Educação (159) Universidade (157) Opinião (154) Poesia (146) Vídeo (144) Crime (136) Maranhão (124) Livro (123) Vida (121) Ideologia (117) Serviço (117) Ex-piritual (114) Cultura (108) Confessionário (104) Capitalismo (103) (in)Utilidade pública (101) Frases (100) Música (96) História (93) Crianças (88) Amor (84) Lingüística (82) Nojento (82) Justiça (80) Mulher (77) Blábláblá (73) Contentamento (73) Ciência (72) Memória (71) Francês (68) Terça parte (68) Izquerda (66) Eventos (63) Inglês (61) Reportagem (55) Prosa (54) Calendário (51) Geléia Geral (51) Idéias (51) Letras (51) Palavra (50) Leitura (49) Lugares (46) Orkut (46) BsB (44) Pessoas (43) Filosofia (42) Amizade (37) Aula (37) Homens (36) Ecologia (35) Espanhol (35) Cinema (33) Quarta internacional (32) Mudernidade (31) Gospel (30) Semiótica e Semiologia (30) Uema (30) Censura (29) Dies Dominicus (27) Miséria (27) Metalinguagem (26) TV (26) Quadrinhos (25) Sexo (25) Silêncio (24) Tradução (24) Cesta Santa (23) Gente (22) Saúde (22) Viagens (22) Nossa Linda Juventude (21) Saudade (21) Psicologia (18) Superação (18) Palestra (17) Crônica (16) Gracinha (15) Bizarro (14) Casamento (14) Psicanálise (13) Santa Casa de Misericórdia Franciscana (13) Carta (12) Italiano (12) Micos (12) Socialismo (11) Comunismo (10) Maternidade (10) Lêndias da Internet (9) Mimesis (9) Receita (9) Q.I. (8) Retrô (8) Teatro (7) Dããã... (6) Flamengo (6) Internacional Memória (6) Alemão (5) Latim (5) Líbano (5) Tecnologia (5) Caninos (4) Chocolate (4) Eqüinos (3) Reaça (3) Solidão (3) TPM (2) Pregui (1)

Arquivo